Logo

Logo

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Por Favor Não Corte Minha Cabeça

Era um clichê. Claro que era. Um bando de adolescentes em um acampamento na beira de um lago... Todos os estereótipos estavam lá: a atleta inteligente, o mauricinho legal, o nerd sociável, o gótico canastrão, o patinho feio burro, o casal de hippies workaholics e a gordinha vegetariana. Claro que não ia dar certo quando o chefe do acampamento sumiu no meio da noite e sons estranhos começaram do nada no meio da floresta. Lógico que era só o chefe com a cozinheira em uma van. Tem coisa mais clichê que essa? E o grito da gordinha no meio da madrugada? Claro que era o nerd passando uma cantada, chamando-a para um belo churrasco a luz da lua. Clichês por todo lado. A aula de astronomia da atleta, o mauricinho ajudando com a autoestima do patinho feio... Já era hora disso acabar. É ai entre este que vos fala. Com um gancho foi acabando com um a um. Sim, morte a todos os clichês! O único que dei fim foi um gordinho burro que surgiu do nada. Depois sentamos perto do lago e fomos jogar, pois Por Favor, Não Corte Minha Cabeça Tá na Mesa!



Por Favor, Não Corte Minha Cabeça é um jogo bem simples e divertido lançado em 2016 por Gustavo Lopes. De três a seis jogadores, com duração média 15 minutos, os jogadores são típicos adolescentes em um acampamento no meio do nada tentando sobreviver do ataque de um maníaco.


Nesse jogo cada jogador é um estereótipo dos filmes de terror tentando fugir de um assassino a solta pela região. Os jogadores têm cinco cartas de localidade, onde podem tentar se esconder. Em cada turno, um dos participantes será o homicida. Os sobreviventes têm três chances de escapar do ataque. Sempre eles devem escolher em segredo uma carta, indicando onde foram se esconder. O assassino também escolhe uma, mostrando para onde foi. Se as cartas forem diferentes, o jogador escapa e marca um ponto. Se forem iguais, o maníaco marca ponto. Na segunda rodada, o maníaco pode escolher duas cartas e os jogadores só uma e não pode ser a mesma (Nota do Sr. Slovic: Maníacos aprendem com os erros). E na última rodada serão três cartas. Se uma mesma vítima for pega três vezes, o monstro ganha um ponto extra. Cada sobrevivente tem um local preferido no acampamento. Se ele conseguir escapar do ataque indo para lá, ganha um ponto extra. O jogo termina depois que todos jogarem com o Maníaco uma vez. Vence quem tiver mais pontos.

No geral, Por Favor, Não Corte Minha Cabeça é um bom divertimento. Jogo rápido e fácil de explicar. Bom para descontrair um pouco, seja em uma jogatina só com jogos leves (como Explodung Kittens, Sushi Go e Crop Rotation) ou para relaxar entre dois pesados (como Airlines Europe e Vinhos). Agora, perceberem o silêncio? Acho que clichê realmente morreu. E espero que não volte na continuação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário