Logo

Logo

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Dogs

Uivos e latidos ecoam noite adentro. Fugindo velozes, nossos amigos de quatro patas tentam ficar longe do carro que os perseguem, mesmo sem saber que é para o seu bem. Capturados, são levados, cada um, para o seu destino e, por enquanto, ficam felizes com o cheiro no ar, pois Dogs Tá na Mesa!



Dogs é um jogo 100% brasileiro, criado pelo mestre Marcos Macri e produzido pela MS Jogos em 2013. O jogo é um fantástico euro genuinamente nacional, onde os jogadores fazem a vez de donos de canis, com o objetivo de torná-lo o melhor da cidade.

Para dois a quatro participantes, com duração em média 60 min, Dogs deixa no chinelo muitos jogos internacionais badalados. A arte pode até parecer infantil, mas esconde um jogo bem estruturado de administração de recursos e de coleção de componentes. O jogador deve cuidar da logística de materiais (combustível, ração gasolina e dinheiro), fazendo o jogo ser complexo na medida certa.

- Achei pelo nome que o jogo era gringo. Coisa nacional não presta!

Who let dogs out? Easy, baba ovo do Michael Jackson. Dogs não deve nada a nenhum euro importado. A mecânica foi muito bem encaixada do contexto, nada parece ser forçado. O jogo é dividido em três fases. Na primeira os jogadores dirigem pela cidade em busca dos cães abandonados, sendo que alguns são perdidos e rendem uma recompensa pelo resgate.

O cuidado com o controle de combustível e a escolha de raças são importante nesta parte. Na segunda fase, os jogadores devem executar duas de cinco ações disponíveis (comprar ou trocar recursos, aumentar o canil, tratar os cães doentes e comprar/vender cães na feira). Para cada ação, ganha-se uma carta que dá uma vantagem (recursos extras, pagamento para seu ajudante, desconto na compra de cães). Na última fase, alimentam-se os aminais (ou eles vão para a enfermaria), paga-se o ajudante (ou perde uma ação na segunda fase da rodada seguinte) e organiza o tabuleiro para o próximo turno.



  
- Que complexo! Não entendi nada

Senta! Deita! Rola! Pata! Bad boy... Não consegue fazer nada direito! Como dissemos, não se deixe enganar pela capa. Dogs é um jogo completo e de regras simples. Em um ou dois turnos todos já pegaram o espirito do jogo. Além de saber bem administrar seus recursos, saber escolher o animal a ser capturado na Fase 1 é importante, já que em cada baia só cabem quatro bichos e há regras sobre colocação de raças diferentes. Conseguir uma baia com membros de uma única raça é um passo enorme para a vitória.

O problema do jogo é que poucos o tem. Foram lançadas somente 200 cópias do jogo (E nós temos uma!!!!) em sua primeira edição, assim como os outros jogos que o Macri da editora MS Jogos: Gran Circo, OVNI, Viagem no Tempo, Shazam e Aquarium, E depois mais 200 na segunda edição. 




No geral, Dogs é um jogo ótimo, com uma temática que ajuda a trazer para jogadores novos para o o mundo dos boardgames modernos. Sua complexidade mediana faz dele um bom jogo em família, com a chance de ser o primeiro euro da garotada. Mas como já dissemos, não se deixe enganar. A arte é infantilizada, mas esconde um jogo complexo. (Nota do Sr. Slovic: Eu mesmo me deixei enganar pela arte. Quando comprei, esperava um jogo simplório, mas fui totalmente surpreendido. Parabéns, Macri!). E que venha logo mias grandes jogos do Mestre Macri.


2 comentários:

  1. Gostaria de agradecer a vocês, Casal Slovic, pela gentileza de fazerem esta resenha. Fico realmente feliz em saber que apreciaram o Dogs. Confesso que para mim foi muito divertido e gratificante criar e desenvolver este jogo, cujo tema agrada a tantas pessoas. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Um dos meus jogos favoritos do Macri e sem dúvida um dos melhores nacionais.

    ResponderExcluir