Logo

Logo

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Dominant Species

O Sol desponta no horizonte. O grasnar vindo das águias e corvos lá na montanha já é audível. Vi dois grandes bandos de diversas Aves migrando para os mares ao sul. Será que sentiram algo vindo? Nos rios que deságuam nos pântanos, sapos com hábitos noturnos já se escondem. Pensei, depois de ter visto alguns crocodilos naquela região, que as salamandras desapareceriam, mas a carcaça de alguns deles boiando deu o alerta: Anfíbios comedores de carne se espreitam por lá, dominando os ambientes aquáticos. É bom os Repteis se adaptarem com outra refeição. Já nas Florestas e Selvas, um enxame multicolorido de Insetos se reproduz de maneira vertiginosa. Houve um tempo em que se imaginou que eles dominariam todos os terrenos, mas a agressiva e inexorável agressividade de aranhas, escorpiões e outros coloca o mundo de volta ao equilíbrio. Todo cuidado é pouco ao se lidar com Aracnídeos. E em toda a parte, dos secos desertos a leste até as sombrias florestas no norte ou as savanas a leste, antílopes, macacos, ursos, lobos e uma diversidade sem fim de estranhos Mamíferos aguardam, pois alguns podem escapar da implacável extinção, já que frio a cada noite aumenta e é só uma questão de tempo até que tudo esteja coberto de neve e somente aquele mais preparado irá sobreviver. Está pronto a sobreviver a Seleção Natural? Então se prepare, pois Dominant Species Tá na Mesa!



Dominant Species foi lançado em 2010 por Chad Jensen pela GMT Games. É um grande jogo, realmente pesado, de dois a seis jogadores, com duração média de três horas. O objetivo do jogo é se adaptar ao máximo ao caótico mundo em constante transformação e, assim, conquistar Pontos de Vitória (PV). É um jogo onde várias espécies de animais buscam a sobrevivência do mais forte.

- Sobrevivência do mais forte é coisa do Apocalipse! Nada a ver com animaizinhos subindo de dois em dois.

Vade retro, Satanás! Em Dominant Species cada jogador assumi o papel de um das seis maiores classes de animais em busca do seu lugar ao Sol. O jogo basicamente tem duas principais mecânicas: Alocação de Trabalhadores e Influência de Área. Mas não pense que só por isso é um jogo fácil. O que o torna pesado é a enorme, mas põe enorme nisso, ações que se pode fazer. São ao todo 12 tipos, sendo que em um jogo com quatro jogadores cada um só pode realizar cinco por turno (Nota da Sra. Slovic: Com mais ou menos jogadores, o numero de peões disponíveis para escolher as ações muda). E para complicar, as ações podem ser feitas mais de uma vez, dificultando ainda mais o planejamento. Em Dominant Species uma ação feita na hora errada ou não feita na hora certa pode resultar em extinção.

O jogo se inicia com uma situação de equilíbrio entre os jogadores.  O tabuleiro é modular, permitindo uma grande rejogabilidade, São seis tipos de terrenos grandes: Montanhas, Desertos, Savanas, Florestas, Pântanos, Mares e Selvas, e um menor, a Tundra, que é colocada sobre os outros, representando o avanço do gelo.

Cada jogador tem um tabuleiro individual, que além de ter um belo resumo das regras e mostrar avantagem do seu animal, serve para colocar os Elementos, que representam os tipos de alimentos que os animais podem consumir. São seis tipos de discos e cada um começa com dois tipos idênticos: grama, larva, água, sementes, sol e carne, respectivamente para Insetos, Aracnídeos, Anfíbios, Aves, Répteis e Mamíferos.

- Como assim jacaré vive de Sol? E no começo você disse que no jogo tinha os seis grandes tipos de animais. Cadê o Peixe! É preconceito com as minorias!

Calma lá, seu cabeça de bagre. Isso não tem nada a ver com o Glorioso Alvinegro Praiano. A Classe dos Peixes não foi escolhida por causa da sua dificuldade de movimentação em terrenos como Montanhas e Desertos (Nota do Casal Slovic: Concordamos que essa foi uma desculpa esfarrapada, mas o jogo foi amarrado de um jeito tão certo sem os Peixes, que realmente não há motivos para colocá-los. Mesmo em uma futura expansão, que é totalmente desnecessária). Ainda sobre o início da partida, cada terreno inicial começa com quatro discos de alimento, exceto o hexágono central de Tundra, que começa com seis (um de cada).

A primeira fase do jogo é a de Planejamento, onde cada jogador, na ordem da Iniciativa, coloca um Peão de Ação (PA) nos espaços de ação disponíveis. Cada ação representa uma alteração no animal ou no ambiente, portando a cada turno tudo muda drasticamente, fazendo que os jogadores tenham que mudar de estratégia várias e várias vezes na partida. Dificilmente uma jogada a longo prazo irá se realizar da maneira planejada. A palavra chave neste jogo é Adaptação. As ações possíveis são: Iniciativa, Adaptação, Regressão, Abundancia, Descampado, Diminuição, Glaciação, Especiação, Wanderlust, Migração, Competição e Dominação (Nota da Sra. Slovic: Wanderlust é um termo bem difícil de traduzir. Seria algo como “Vontade de Viajar”). A segunda fase é de Execução, onde cada ação é realizada na ordem, começando por Iniciativa e terminando em Dominação. A última é a fase de manutenção, onde três ações automáticas são realizadas: Extinção, Sobrevivência e Realimentação do tabuleiro.

- Credo, que complicado. Deu nó na minha cabeça. E qual a ação para fazer pontos? Só vou usar essa.

Fica frio, seu Verme Cinzento. Há poucas maneiras de pontuar no jogo e quase todas dependem de colocar os PA nas ações corretas: A primeira é usar a Glaciação para aumentar o número de Tundras em jogo. A segunda é a Wanderlust, onde o jogador coloca mais terrenos em jogo. A terceira é com Dominância, onde quem tiver mais espécies (cubos) no terreno escolhido para ser pontuados, ganha mais. O tipo de terreno influencia nos pontos ganhos, seguindo uma lógica que terrenos com maior capacidade de biodiversidade geram mais pontos que terrenos mais inóspitos Ou seja, Mares e Pântanos dão mais pontos que Montanhas e Desertos e a Tundra quase não pontua, porém ter quem tiver a maioria de espécies em Tundra no fim da rodada também pontua, durante a ação de Sobrevivência. Como é fácil ocorrer extinções em terrenos de tundra, é importante saber o quanto e quando deixar as espécies por lá.

Na fase da Dominância, também é possível ganhar cartas de evento, que proporcionam alguns efeitos imediatos e interessantes, como subir no nível de iniciativa, fazer uma glaciação imediata, ganhar um PA extra e alguns catastróficos, como retirar todos os cubos de um terreno, mover todas as espécies de um terreno para outro. Outros dão ou retiram PV. Sempre há cinco abertos e o jogo termina quando a carta “Era do Gelo” é escolhida (Nota do Sr. Slovic: Ela sempre será última a entrar em jogo).




No geral, Dominant Species é um ótimo jogo, porém demorado e complexo. Não que suas regras são complicadas, mas também não são simples. Cada tipo de ação desencadeia um efeito diferente no tabuleiro central e/ou tabuleiro individual. As escolhas devem ser feitas com cuidado. Como já dissemos, escolher ou não a ação certa na hora certa é totalmente decisivo. Não é um jogo para todos, pois você vai quebrar a cabeça por causa de tantas variáveis possíveis e por causa da mudança constante das condições de jogo. Uma hora os Insetos estão dominando, na outra estão quase extintos, sendo massacrados pelas Aves, enquanto os Mamíferos preparam o bote para a rodada seguinte sem ninguém perceber. Mas quem gosta de jogos Hardcores é um prato cheio (Nota do Sr. Slovic: Com certeza um dos meus jogos favoritos. Se for jogar, não deixe de me convidar). Não tenha medo de conhecer. Pode parecer assustador e até alienígena no início. Com certeza você não saberá o que fazer nas primeira rodadas, mas o jogo muda tanto que mesmo alguém com um início ruim pode vencer. E esteja sempre preparado, pois como todos sabem “the Winter is coming” e sobreviver a Era do Gelo vindoura não será tarefa fácil. Venha ser a Espécie Dominante.


Um comentário: